Meu bebê não desgruda de mim! Ou Angustia de separação

postado em: Artigos | 0

Você deve ter percebido, ou já ter ouvido falar, que os bebês “de repente” por volta dos 9 meses ficam mais chorosos, e passam a querer ficar literalmente “grudados” (geralmente) nas mães? O bebê que antes era tranquilo, ia com todo mundo, simpático, agora estranha chora e só quer a mamãe? Pois é, essa é uma fase em que todo bebê costuma passar, e que é muito importante para seu desenvolvimento, e ocorre um processo chamado de “angustia de separação”, totalmente normal e necessário para o desenvolvimento dos bebês. Isso significa que ele percebe que ele e a mãe são pessoas diferentes, pois até então para o bebê a mãe era uma extensão do seu corpo, a partir de agora e quando ela sai do campo de visão dele, ela deixa de existir. Isso porque os bebês nessa idade ainda não tem a chamada permanência de objeto, o que significa que o que sai do seu campo de visão deixa existir, dessa forma, se a mãe não está em seu campo de visão, ela sumiu!! O bebê pode se sentir abandonado, por isso o choro que muitas vezes é desesperador. E como lidar com essa fase difícil e tão necessária para os pequenos? Muita paciência é essencial, atender ao choro do bebê é importante, assim como explicar e nomear onde está indo, e se for necessário sair por mais tempo explicar que volta. Pode ser tentador (na tentativa de poupar o choro e não ver seu pequeno angustiado) sair escondida, mas isso só fará com que seu bebê fique mais em alerta toda vez que você ameaçar sair do lado dele.
Aos poucos o bebê vai percebendo que a mamãe vai, mas sempre volta.
Deixar o bebê sob os cuidados de alguém conhecido e de confiança também é muito importante para dar essa segurança tão essencial para ele. As brincadeiras de “achou e escondeu” ajudam o bebê também a perceber e lidar com a alternância da presença e ausência da mãe. Os paninhos ou naninhas podem ser muito bem vindos nessa fase também, eles podem servir como um “substituto” da mãe, e faz com que o bebê se acalme e consiga simbolizá-la através deste objeto.
É importante lembrar que cada bebê tem sua singularidade e está inserido em uma família com suas características próprias, esta fase pode se estender até por volta dos 12 meses e pode haver recaídas, o importante é passar segurança para a criança e seguir com confiança sabendo que esta é uma fase determinante para seu bebê a caminho da autonomia e independência.
E aí você já passou por essa fase ou está passando? Conta pra gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *